Guerra do sono e noites mal dormidas: até quando? – Parte 1

Categorias: Falando de filhos, Prosa de mãe, Relatos de experiência

De todas as queixas maternas, a privação do sono é uma das mais comuns. Quando se tem um bebê em casa, vá lá, todas sabemos que bebês às vezes levam meses (ou anos?) para dormir a noite inteira, que acordam pra mamar uma ou muitas vezes, que acordam e nem sempre sabem voltar a dormir sozinhos, que muitos precisam ser ninados até dormir, que dormem mal quando os dentes nascem, quando estão doentes, quando estão nos tais picos de desenvolvimento e por aí vai…. No primeiro ano, todas aceitamos que essa condição “mãe zumbi” faz parte, diminuímos o ritmo em outras áreas da vida (social, profissional, pessoal), dormimos mais cedo (por meses eu apaguei logo depois do “boa noite” do William Bonner!), tiramos um cochilo em qualquer lugar que dê pra encostar… e assim vamos  nos aguentando.

Imagem: Gergely Vida / Creative Commons

Imagem: Gergely Vida / Creative Commons

Mas então os bebês crescem, as noites vão melhorando e você aos poucos vai retomando a sua rotina com horários de adulta (na medida do possível, porque minha hora de acordar definitivamente nunca mais foi a mesma!!!). E claro, você cria aquela expectativa de que vai sobrar tempo e energia pra você fazer qualquer coisa no fim do dia que não dormir…. Mas por aqui, o fato é que as noites mal dormidas não acabaram, mas as longas sonecas da tarde sim, e agora?! Seu filho, agora é um toodler, tem uma energia infinita, que recarrega 100% depois de um cochilo de 15min dentro do carro (quando você não pode dormir junto!), e pior quando chega a hora de dormir ele ainda ter forças pra brigar com o sono por mais ou menos uma hora, enquanto você bate cabeça.

Eu confesso que me orgulhava de ter um bebê que desde bem pequeno dormia sozinho no seu bercinho. Claro que existiram noites em que ele precisou ser ninado, que deitássemos junto com ele ou que dormiu na nossa cama, o que eu fiz com muito prazer, e tem coisa melhor?! Por outro lado, se a hora de dormir poucas vezes foi problema, dormir a noite toda demorou um bocado, só largou definitivamente a mamadeira da madrugada lá pelos 1a9m…. ops… eu disse definitivamente?! Não, nada é definitivo nessa vida, de uns meses pra cá ele voltou a acordar! Fazendo uma retrospectiva, Pedro sempre teve um sono sensível e passou por várias fases de noites difíceis. Qualquer alteração o faz ter uma noite muito agitada, no início os vilões eram os dentes, cheguei a ler sobre terror noturno, mas com o tempo descartei…. Depois foi o chocolate, até bem pouco tempo não podia comer nada com chocolate que era batata… Festa ou muita agitação no fim do dia…. pode apostar que a noite vai ser péssima. Até identificar a causa da vez, foram muitas noites insones.

Atualmente estamos no meio de uma dessas fases, só que pra piorar, até o que era fácil virou problema, ele não pega mais no sono facilmente. É bem verdade que ele já não dormia sozinho desde que deixou o berço, e eu que sempre prezei por uma rotina de dormir quase militar, acabei relaxando com o tempo e deixando alguns maus hábitos se instalarem, como o de assistir vídeos no celular antes de dormir….. E agora o cenário é o de caos do sono! Na escola ele não dorme, ou dorme muito pouco (15, 20 min), em casa chega a ficar caindo de sono por volta das 7 mas resiste e ressurge com  força total… a batalha começa na hora do banho, depois ele não quer a fralda, implica com o pijama, finalmente deita e quando está se rendendo pede mais leite, aí reclama de dor na barriga, pede outra história, então senta e brinca com o livro, se está comigo pede o pai, se está com ele vice e versa… tudo é motivo pra manter os olhos abertos… a saga dura em média 1 hora a 1 hora e meia e quando finalmente dorme, eu também já acabei pegando no sono junto e lá se foi aquele mísero tempinho que eu tinha voltado a ter para mim!

Quando eu consigo levantar e assistir uma TV com o marido, ler um livro, organizar alguma coisa pro dia seguinte….Murphy mostra a que veio e na hora em que deito a cabeça no travesseiro… começam os resmungos e choramingos… e aí? É frio ou calor? aumenta ar, desliga ventilador…. Vazou xixi? troca a roupa…. Liga a música de ninar…. Desistimos!!! Um de nós (quase sempre o pai porque eu não sou ninguém de madrugada) se muda pra cama em baixo da dele…. Ou ele pede a bendita mamadeira e eu dou!! Sim eu dou, eu sei que ele não precisa mais dela, mas eu nunca consegui negar leite: primeiro porque não consigo negar comida ainda que saiba que não é fome (deve ser resquício de culpa por ele ter sentido fome quando RN quando eu não conseguia amamentar) e segundo por que no meio da madrugada eu não sou ninguém (já disse isso, né?) e eu realmente só quero que ele durma de novo…. admito, no meio da noite eu só quero saber de solução, a educação fica em segundo plano!!

Acho que estamos passando por uma mudança no padrão de sono, quando o bebê ou criança muda a quantidade de sonecas, passa a dormir menos tempo, ou altera os horários. Issa acontece algumas vezes de acordo com o desenvolvimento de 0 a 4 anos, e pressinto que Pedro está prestes a abandonar a soneca da tarde de vez. Então é hora de mudar as coisas por aqui, adaptar a rotina, mudar os hábitos… eu li um monte, juntei com o que já sabia e na parte II desse post eu conto pra vocês quais estratégias eu aprendi, quais consegui aplicar, e o que eu ainda vou testar, porque a guerra do sono aqui continua….

Deixe seu comentário!