Pós parto: o início do inchaço e dos outros sintomas – dia 4

Categorias: 100 Primeiros dias, Versos diários

 

Quarto dia! Inchaço excessivo, esse foi um dos sintomas pós parto mais marcantes no nascimento do Pedro, e hoje, quarto dia, marca a chegada dele e muitos outros sintomas. Os mamilos começaram a sentir a potência da sugada de Laura, a cada pega vou a lua, até aí só bênçãos porque há quatro anos a essa altura eu chorava deprimida por não conseguir fazer Pedro mamar.

Mas não fica aí, a verdade é que são muitos sinais e sintomas chatinhos e desagradáveis, que fazem com que dessa fase a gente só queira uma coisa, que passe logo! Tudo dói, tomar banho, se secar, os seios estão ficando duros, inchados e doloridos para a descida do leite, os mamilos formigam sozinhos e enfim depois do banho começam a pingar, o que é na verdade mais um motivo pra comemorar, pelas minhas contas um ou dois dias antes do parto anterior…. Habemus leite e habemus dor! Mas passa, eu sei!

Acho que é por essa altura que também começam os rompantes emocionais, o choro, a impaciência, estou bem mais tranquila agora, o segundo filho é um terreno mais seguro, mas os hormônios e incômodos da parturiente não mudam muito não, como disse ontem, só a certeza de que passa já ajuda!

A cinta incomoda, mas ficar sem ela parece pior, os gases incomodam, quem mandou falar tanto?! E dessa vez ainda ganhei uma dor nos braços, acho que decorre da força do trabalho de parto…. E a dependência dói! As dores pós cirurgia limitam bastante os movimentos então não dá pra fazer muita coisa com Pedro e até com Laurinha no colo é difícil levantar do sofá que é muito baixo, então preciso de ajuda a toda hora, fora abotoar a cinta que é uma “África”…. Hoje ao sair do banho precisei roubar o papai do Pedro, ele ficou tão sentido, e quando acabei e disse que ele tava liberado, a carinha dele de felicidade correndo pros braços do pai me trouxe lágrimas pela primeira vez nesse processo todo, no qual estou tão surpreendentemente durona! Lágrimas pela cena emocionante e lágrimas de saudade de poder fazer o mesmo e tomá-lo no colo!

É isso, o quarto dia foi carregado de sentido, emoção e padecimento, sem esquecer o paraíso que fica por conta de Laura e Pedro. Tenho falado pouco deles porque a ideia é registrar os 100 primeiros dias de uma mãe, pelo seu ponto de vista, porque cada bebê é um bebê, mas toda mãe e puérpera!

Deixe seu comentário!