Sobre a saudade de ser mãe de filho único – dia 114

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Cento e quatorze dias, hoje (na verdade ontem) uma mãe de dois me disse, num dado momento de uma conversa fora entre amigas, que às vezes dava saudade de ser mãe de um filho só! Confesso que eu, nessa função há apenas 114 dias não compreendi o real significado daquelas palavras…. E completei “ah deve ser porque a diferença entre os seus é muito pequena, você aproveitou pouco um só” e era verdade, mas aí mais tarde me deparei com essa imagem na minha timeline e bastou pousar os olhos nela pra entender todo o significado daquela frase: “saudade de ser mãe de um filho só”, que por sinal é bem diferente de “saudade de ser mãe de filho único”!


Então, a foto acima se tornou viral mundo afora. A fotógrafa Laura Paulescu captou o último abraço entre mãe e primogênita antes do nascimento do seu segundo filho.

Eu senti um aperto no peito na hora…. não consigo lembrar do meu último abraço no Pedro antes de Laura nascer, e ainda assim tenho saudades desse momento. Minha bolsa rompeu às 6 da manhã, saí de casa com ele dormindo, se fosse hoje eu o abraçaria dormindo só pra eternizar aquele segundo.

Saudade é palavra que só existe em nossa língua, não se traduz por sentir falta, solidão ou nostalgia, é mais que isso, é tudo isso. Nesse caso é ter saudades de ser só dele, de se dar por inteiro, de olhar numa única direção, é saudade daquela relação que é única, saudade de quando só um bastava…..porque depois que o segundo nasce, coração só está completo com os dois por perto.

Saudade às vezes é boa. E essa é, essa é das boas!

2 comentários

  1. Priscila comentou:

    Obrigada por esse texto, vinha procurando algo que traduzisse o que estou sentindo, com relação às minha primogênita de 5 anos após o nascimento da caçula, com 1 mês e 8 dias… Na verdade sinto um aperto no peito enorme, e ainda ecoa em meus ouvidos e meu coração o “tchau, mamãe” que ela me disse enquanto eu ia para a sala de cirurgia… Sim, foi a despedida daquela relação que a gente tinha e confesso que tenho tido dificuldade para reencontrar essa relação, por vezes me pego chorando inconsolável, como num luto.

    1. Fernanda Curado Reale comentou:

      Obrigada, mas olha fica calma, você chora inconsolável também porque o puerpério é assim, tudo muito, tudo a flor da pele, tudo dói. De fato as coisas mudam, mas o amor não muda nunca e logo logo vc vai reencontrar ia conexão com ela. Meu mais velho também tem cinco, não é só a chegada da Irma, eles também estão crescendo e a relação vai mudando mesmo. Logo logo tudo melhora, e as vezes pior de novo, são ciclos, fases, mas a gente sobrevive e eles também! 😘

Deixe seu comentário!