Sobre a licença de vaidade materna – dia 149

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Dia 149, hoje precisei resolver umas coisas na rua, ir ao cartório, comprar coisas da festa do mais velho, enfim coisas de gente normal, que tira o pijama, dá um jeito no cabelo, calça um sapato e sai de casa.

Sentada no metro reparei uma moça à minha frente, talvez um pouco mais nova do que eu. Eu nunca fui exatamente vaidosa e nem de me arrumar muito, sou bem básica no modo de vestir. Ela vestia uma calça jeans e um all star idêntico ao meu, uma blusa branca básica e um casaco tipo cardigã azul marinho que marcava sua cintura em forma, bem diferentes da minha blusa surrada e do meu casaco também azul marinho, mas de tactel, pra proteger na chuva já que ficar doente está fora de questão, e dois números maior pra esconder a barriga pós parto que insiste em ficar nesse corpo.

Além disso ela usava o cabelo amarrado num coque, mas diferente do meu as luzes estavam em dia e a progressiva/hidratação/reconstrução (ou seja lá o que for, mas que tinha um tratamento naquele cabelo tinha!) também, ela poderia soltá-lo num movimento charmoso a qualquer hora, enquanto eu poderia até desamarrar o meu que ele permaneceria naquela forma de nó, de tão embolado que anda. Pra completar o look uma bolsa linda, grande, daquelas que uma mulher ocupada carrega, onde cabe tudo e mais um pouco do que precisaremos durante o dia. Eu com a minha micro bolsa tiracolo, daquelas que a mulherada só usa pra ir pra balada e as donas de casa pra ir no hortifruti sabe?! E com quem você acha que a minha parecia mais?! Pois é!

Enfim, ela estava bem básica, bem como eu me vestiria, e eu fiquei ali pensando em quanto tempo eu vou me vestir como uma pessoa normal de novo?! Porque em geral essa volta à realidade após a maternidade acontece com a volta ao trabalho, mas e se eu não voltar a trabalhar?! Até quando vou levar Pedro na escola com a mesma blusa suja de leite que eventualmente posso ter dormido na noite anterior, porque peguei no sono antes mesmo de lembrar de por o pijama? Até quando meu cabelo vai viver nesse estado de calamidade pública?! Até quando unhas por fazer, olheiras por disfarçar? Até quando vou me valer dessa espécie de licença de vaidade que tiramos junto com a maternidade?!

Eu não sei até quando, eu não sei qual vai ser meu tempo, não sei se eu vou ficar cada vez mais desleixada e me acostumar com isso, mas sei que um dia eu vou acordar, as crianças já estarão mais crescidas e eu vou querer me cuidar, como tantas outras mulheres têm feito à minha volta, eu até já escrevi sobre elas. Enquanto isso me deixem com a minha calça de moletom e minha havaiana, e muito bem, obrigada!

Deixe seu comentário!