Hoje o programa foi só com ele, o filho mais velho – dia 249

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Duzentos e quarenta e nove dias, é o tempo que levou para sairmos só nós dois de novo. Só eu e Pedro, sem bebê pra carregar, sem ter que parar pra amamentar, sem pressa pra voltar. Porque às vezes o filho mais velho precisa voltar a se sentir único!

Nada foi muito planejado, um amigo de escola faz aniversario nas férias, a mãe resolveu convidar os colegas pra um cinema. Pensei, lá vamos nós em excursão pro shopping, família toda, carrinho, tralha…. mas aí hoje pela manhã meu marido sugeriu “vai você com Pedro, ele está precisando, eu fico com Laura”. E assim meio sem querer estava ali a oportunidade que todos esperavam, Pedro esperava ficar só comigo, eu esperava que alguém desse conta da Laura sem mim, Ricardo esperava um pouco de paz ao chegar do trabalho! Enfim, sopinha pronta na geladeira, leite extraído com a bomba também, e o copo em que ela finalmente bebeu uns golinhos de água à postos e, lá fomos nós!

Devo dizer, coisa boa sair com um só, sem um bebê à tiracolo, só precisar olhar em uma direção. Melhor ainda estreiar o vestido que ganhei de aniversário ano passado, mas com o qual não podia amamentar! Voltando ao cinema, sentaram todos os amigos pra um lado, e nos mães de escanteio pro outro, acabei na outra ponta da fila. Ali, naquela cadeira de cinema, sem uma criança do lado fazendo perguntas, ainda assim custei a relaxar, de tão acelerada comecei pensando em como aproveitar aquelas quase duas horas, saquei o celular, comecei a postar algumas coisas responder outras, mas logo um funcionário veio me pedir que desligasse o telefone. Taí , não frequento cinema há tanto tempo que não sabia da regra, achava que o problema era só tocar, mas enfim, guardei! No segundo seguinte lembrei que precisava checar o WhatsApp, acompanhar as fotos que papai mandava para ter certeza de que tudo ia bem em casa sem mim, e assim ainda peguei o celular disfarçadamente na bolsa diversas vezes.

Eu costumava gostar de filmes de animação, mas custei a conseguir me concentrar no de hoje, deve ser falta de hábito, afinal ficar sentada por duas horas sem pensar ou fazer nada é novidade demais pra mim, até entendi como meu filho de cinco anos se sente no cinema. Cheguei a fechar os olhos, uma soneca não seria nada mal, mas por fim acabei me atendo ao filme. Ufa! Como a gente demora a desligar!

Depois do cinema ainda teve pizza, bolo, muita bagunça e algum choro por qualquer coisa do tipo: perder o lugar ao lado do amigo, não querer aquela pizza, não ter conseguido soprar a vela ou ter rasgado o microfone de papel que era brinde do restaurante, num comportamento nada típico do Pedro de tempos atrás. E se o ponto alto do dia foi descobrir que já dá pra deixar Laura ainda que ela só tenha dormido quando cheguei, mas pelo menos já pegou um bico e tomou leite na minha ausência…. por outro lado será preciso bem mais que uma saída a sós com a mamãe pra suprir a carência do irmão mais velho!

Deixe seu comentário!