Quando o bebê cresce, mais trabalho aparece – dia 270

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Duzentos e setenta dias, sabe aquele papo de que criar filho é igual vídeo game, a cada fase fica mais difícil?! Então, mais difícil eu não sei, mas mais trabalhoso com certeza, quando o bebê cresce, mais trabalho aparece!

Continuo achando que em dificuldade nada supera o primeiro mês, onde tudo é muito novo, tudo e adaptação, e ainda tem os hormônios atrapalhando tudo, o emocional meio abalado…. enfim, todo um puerpério com que lidar além do bebê. Mas a verdade é que falando de trabalho mesmo, os recém nascidos dão bem menos do que os crescidinhos. Ele dorme mais, ainda que troquem dia pela noite, eles dorme praticamente entre todas as mamadas, ou ainda que durante elas, pendurados do peito, mas dormem. E o trabalho gira em torno disso, amamentar, trocar e lidar com o choro e com as cólicas se houverem.

Agora pense em Laura prestes a completar nove meses, dorme pouco durante o dia, faz 3 refeições além de mamar, são 3 vezes em que esquento a comida (considerando que já preparei em outro momento) ou descasco, corto e amasso a fruta, monto cadeirão, dou a comida e no fim tenho uma sujeirada pra limpar, a começar por ela própria….. só aí vão quantas horas do dia?! Nos intervalos, aquele bebê que ficava na cadeirinha não quer mais saber de ficar presa não, consigo no máximo deixar uns minutos no berço pra ir ao banheiro, ou estender uma roupa…. guarda a roupa?! Faço com ela em volta mesmo, e na proporção que eu dobro, ela desdobra! Na hora de agitar o almoço espalho uns potes no chão da cozinha, mas minha terrorista predileta prefere virar a fruteira no chão! Não dá pra tirar o olho dela um segundo! Gente, Pedro não era assim nao!

Quando ela finalmente tira uma soneca depois do almoço, p que nem sempre rola ou dura meia hora, tenho que correr pra fazer tudo que é impossível com por perto, sem esquecer o outro pedindo pra brincar ou implorando por água ou comida como se estivesse chegando de uma excursão no deserto, tamanha urgência e desespero!

Mas sendo bem sincera todo o trabalho vem acompanhado de muita fofura, e a fase mais gostosa de Laura até hoje, ela ri, apronta, engatinha atras do irmão, pega os brinquedos dele, quer sempre o que está além, o que não pode o que não é brinquedo, bate palmas, faz charme, foge na hora de trocar a fralda, abraça quando a pegamos no colo, escala nossas pernas pra ficar em pé, anda de um lado pro outro do sofá sempre com o mais sapeca dos sorrisos no rosto, mostrando seus dois dentinhos, que em breve serão quatro, já que mais dois romperam a gengiva ontem mesmo!

E assim a gente vai vivendo, com eles nos exigindo toda a energia e também nos abastecendo cada vez mais, nos recarregando…. tão cheios de vida, de alegria e de amor!

1 comentário

  1. Paloma comentou:

    A minha Júlia também está assim com seus 9 meses. Muito amor

Deixe seu comentário!