Viajando sem os filhos – dia 371

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Dia 371, um dia absolutamente diferente! Começou cedo, antes das seis da manhã, Laura acordou e não quis mais dormir. Até aí é até bem comum, o incomum é que lá pelas 7:30 quando ela finalmente adormeceu novamente, eu continuei acordada….

Sim, eu sou da noite, se puder acordo tarde, e meus dias começam tarde, mas hoje as 9h da manhã a louça estava lavada, a roupa guardada, parte das camas arrumadas e o arroz pronto! Segue o dia… quatro da tarde tudo pronto, mala pronta, eu também, e deu tempo pra repassar os olhos em tudo, checar se o trocador está abastecido de fraldas, água e algodão, jogar o lixo fora, checar as latas de leite se estão cheias… enfim coisa de mãe conferir se está tudo certo…. mas não, eu não sou essa mãe, nunca checo nada, sempre grito pra alguém me buscar fraldas já com Laura em cima do trocador com o coco exposto. Mas hoje é diferente, hoje eu não vou estar aqui, então eu checo tudo! Logo eu!

Em cinco anos eu nunca viajei sozinha, nem mesmo só com o marido. Dormir fora só as três noites de hospital recentemente e as duas no nascimento da Laura. Ele sim, Pedro, ela já dormiu na casa da avó inúmeras vezes, eu não, nós não. E então estou eu, sozinha em um ônibus para Aparecida. Eu não viajava de ônibus desde a faculdade, sozinha então, desde a adolescência quando passava férias na casa dos meus avós em teresópolis. Quatro horas de viagem, 4 horas sem criança chamando, sem choro, 4 horas em silêncio, só os meus pensamentos pra escutar, é uma boa música pra ouvir. É muito tempo! Eu não sei mais o que fazer com tempo assim, sobrando, no ócio, pra mim! Como, penso, escuto música, cantarolo, começo a escrever, o trânsito anda e eu paro, não quero enjoar, como quando eu escrevia no carro entre o Parque Olímpico e o Engenhão. Tento dormir mas só cochilo, vai entender.

Faz falta esse tempo pra ficar só sem fazer nada, nem me dei conta quando deixei de ter isso. Há quatro anos quando mudei pra um emprego há 15 minutos de casa ganhei 3 horas no meu dia, 3 horas que eu gastava em deslocamento. Um ganho de qualidade de vida imenso, mas só agora me dei conta
que era um tempo meu, eu lia, ouvia rádio, pensava. Hoje mal conheço os novos artistas. E há um ano, quando entrei de licença e não mais voltei ao trabalho, esse tempo só é cada vez mais escasso, minutos no banho, ou com a cabeça no travesseiro antes de dormir.

viajando sem os filhos

E por falar em dormir, acabei de chegar no hotel e tem uma cama inteirinha só pra mim me esperando e a possibilidade de dormir uma noite inteirinha. Apesar do peito ter apertado quando a porta se bateu e peguei o elevador ouvindo o choro da Laura, nesse momento só quero me esparramar na cama e ver a novela que passa na TV mesmo que eu nunca tenha assistido um capítulo antes….

…… tá bom vai, é um pouco solitário!

Deixe seu comentário!