Os perrengues da maternidade – dia 434

Categorias: 1000 dias de mãe, Versos diários

Dia 434. Mais uma sexta feira daquelas que eu acordo rezando para a faxineira não faltar porque a casa está de pernas pro ar. É o único dia da semana que acordo com certa calma, sento no sofá com as crianças sem me preocupar em fazer as camas, adiantar a roupa, sem pressa pra arrumar nada…. e aí lá pelas 10 da manhã, naquele momento ansioso em que espero ela chegar, pensei… “ah se a Maria não vier vou largar essa casa como está e vou com as crianças almoçar no Mc Donalds”!

Perrengues da maternidade

Escuto a chave girando na porta, ufa! a Maria veio, mas aí eu já tinha gostado da ideia e resolvi ceder à minha própria tentação…. preparei a “quentinha” da Laura, vesti os dois e fomos. Chegando lá…. entra na fila, compra a comida e ops…. como é que eu carrego a bandeja e empurro o carrinho até a mesa?! Pensei rápido e antes que estivesse pronto meu pedido, sentei Pedro na mesa mais perto do balcão possível, encostei o carrinho próximo, peguei Laura no colo, catei a cadeirinha infantil, amarrei ela…. tudo isso sem tirar o olho dele, me afastando o mínimo possível e o mais rápido que podia, pedido pronto, peguei a bandeja no balcão, coloquei na mesa e …. “quero fazer xixi, tô muito apertado!”!!!! Detalhe, banheiro só um lance de escadas abaixo…. catei Laura no colo de novo, Pedro pela mão, minha bolsa pendurada (por isso só ando de tiracolo ou mochila), larguei carrinho, lanche… antes isso do que os filhos, né! E lá fomos nós todos escada abaixo, quando voltamos ainda estava tudo no lugar, ainda bem!

Daí fiquei pensando nesses perrengues que a gente passa, especialmente sozinha com filhos na rua. Outro dia cheguei na natação do Pedro apertadíssima pra ir ao banheiro, nenhuma outra alternativa que não entrar com a Laura na casinha, beleza, tudo tranquilo já que ela já anda, mas e se fosse um bebê de colo, faz como?! Nunca passei por isso, mas faria com a porta aberta e o neném no carrinho, só que nesse caso o banheiro fica no segundo andar da academia…. teria que ser no sling, agora pensa no equilíbrio da pessoa pra ir ao banheiro sem sentar/encostar no vaso sanitário público, com um bebê acoplado na barriga!!! Pois é….

Isso sem falar em inúmeras outras situações, birras, tombos, sustos…. uma vez passei uns quarenta minutos empacada a dois quarteirões da escola porque Pedro cismou que não queria mais andar, queria colo, e eu tentava que ele sentasse no carrinho, a essa altura eu já não o aguentava por certas distâncias no colo, ainda tinha o carrinho, a bolsa e uma pasta do trabalho… por fim saí empurrando o carrinho com ele em pé em cima, e a rua inteira olhando. Outro dia empurrando Laura e ele segurando no carrinho, tropeçou, caiu e ralou bem os joelhos, chorou sentido e no impulso o peguei no colo sem pensar, e nem sei de onde veio a força pra carregá-lo alguns metros e empurrar o carrinho ao mesmo tempo, até que ele acalmasse e eu pudesse parar e trocar os dois de lugar, já que ao menos ela é mais leve.

Já passei aperto com Pedro recém desfraldado no carro, trajeto Barra x zona sul, e aquela sequência interminável de túneis e trânsito….chegando na Lagoa paramos no primeiro canteiro, depois disso eu tinha sempre uma garrafa vazia no carro, vai que… E são tantas outras situações, quem nunca chegou em casa sozinha com dois filhos dormindo o carro?! Tem momentos na vida de mãe que a gente tem que rebolar, pensar rápido, se virar em três…. é cada perrengue viu! E você já passou por algum ou alguns desses? Me conta aí!

1 comentário

  1. Melissa comentou:

    Aiiii Fernanda… são tantos que acho difícil até lembrar de um! Mas essa de ir em banheiro público como bebê no sling e sem poder sentar acontece comigo com frequência… viajar sozinha com bebê também não uma missão muito fácil! Empurra mala de embarque, empurra mala para despachar, carrega bebê no sling que quer sair para ver tudo e grita feito um louco.. Me lembrei de uma situação constrangedora agora: Certa vez, viajando com Valen por Bruxelas, entrei em uma loja de souvenir. Enquanto eu olhava algo do lado direito, Valentina catava tudo que via do lado esquerdo e enfiava entre o seu corpinho e o meu, já que lá estava no sling. Quando me dei conta, tinha uns 5 bichinhos de pelúcia entre a gente, fora os imãs que ela tinha catado e enfiado também. Para piorar a situação, após eu ter devolvido todas as coisas visíveis, um maldito imã ficou e o danado cismou de cair em frente ao dono da loja, que certamente pensou que eu estava roubando! Fiz de cara de alface, dei um sorriso besta e devolvi no lugar 😬

Deixe seu comentário!