Por que meu bebê não dorme? (Neve na África)

Categorias: Amamentação, Qmãe Especialistas

No primeiro texto falamos um pouco sobre a importância de se preparar para a amamentação, hoje voltamos ainda falando sobre essa preparação, sobre planejamento, informação e expectativas. Tudo isso vai te ajudar a responder essa pergunta que tantas mães de fazem: por que meu bebê não dorme?

por que meu bebê não dorme

Você também quer saber, então vamos lá!

Assunto 1

Eu AMO viajar. E adoro bater altos papos com gente que viaja. Sou daquelas que curte a ideia da viagem, e depois cada etapa: a compra da passagem, a escolha do que vamos conhecer, a organização da bagagem. Acho divertido conversar com outros viajantes, porque percebi que cada um tem um método – uns são tarados por blogs de turismo, outros entram nos sites das cidades/países que vão visitar para se informarem como moradores daquele local, outros fogem da alta temporada e dos programas mais clássicos. Tem quem tente programar cada etapa do passeio, minimizando sustos e imprevistos, tem os que curtem as surpresas do que virá pela frente, deixando algum espaço para o desconhecido… Todos, entretanto, têm algo em comum: um planejamento básico. Um viajante que deseja curtir ao máximo o seu destino (seja principiante ou veterano) aprende algumas palavras da língua falada no novo país; leva dinheiro na moeda local; se informa a respeito das previsões climáticas para montar uma mala compatível…

Assunto 2

Eu faço consultoria em amamentação há anos. Costumo conhecer famílias ainda nas primeiras semanas após o nascimento do bebê – muitas vezes, logo na chegada da maternidade. Conversamos sobre as mamadas, leite materno, dificuldades dos primeiros dias, inseguranças, blá blá blá, e com frequência vem aquela pergunta linda que me faz estampar no rosto a minha melhor cara de caneca: “mas quando é que ele vai dormir?” (e suas variantes “não durmo uma noite inteira há dias!” ou “de madrugada eu não sou ninguém”…). Dou um sorrisinho, um suspiro, renovo a fé na ingenuidade humana, e penso: “mais um casal que resolveu viajar pra África achando que ia ver neve”.
Como os assuntos se misturam: ficou meio óbvio, né? Mas vamos lá: ter um bebê é fazer uma longa, incrível e absolutamente louca viagem. Um passeio cheio de surpresas, paisagens lindas (outras nem tanto). Um percurso que não dá pra fazer o tempo todo de avião, na 1a classe – muitas vezes o negócio é a pé mesmo, um passinho depois do outro, estilo trilha no meio do mato. Cada viajante curte mais um trecho do que outro, se sente mais feliz/inseguro/relaxado/perdido em algumas etapas… e cada um tem o poder de escolher, a todo instante, qual caminho percorrer. A liberdade dos pais-viajantes é enorme. Mas galera, quando a gente já deu uma pesquisada no que vem pela frente, quando se tem um mapa na mão, a coisa facilita um pouco, né não? Cair de paraquedas deixa tudo mais complicado – a menos que você seja paraquedista.

E afinal, por que meu bebê não dorme?

Bebês possuem um ciclo de sono e vigília diferente do dos adultos. Enquanto nós nos organizamos neurologicamente para descansar por algumas horas seguidas ao longo de 24h, bebês fazem esse percurso de forma mais rápida, criando vários ciclos ao longo de um dia inteiro. Dá um Google lá, coloca “circadiano e ultradiano” e vê o que aparece. É fisiológico, faz parte do processo de desenvolvimento do bebê. É lutar contra o inevitável, people. Não é sacanagem do seu filho que sabe que você não cochilou nem meia horinha de tarde, ou porque você não amamentou suficiente pra ele dormir 5 horas seguidas (nem 4; nem 3); não é porque você não aplicou direito o método maravilhoso do best-seller daquela fada sensacional, nem é porque você não “cansou” o bastante o bebê durante o dia e agora ele está aí, com esse olhão arregalado as 3:33 da madruga. É fisiologia pura.

Outra: o pico da prolactina (hormônio responsável pela produção de leite materno) acontece, adivinha quando? Exatamente, naquela hora em que você não se lembra nem do próprio nome, normalmente entre 0h e 5h da matina. Os bebês, danadinhos, sabem disso, e vêm com um chip programado para fazê-los acordar com frequência nesse horário, principalmente nos primeiros dias (fiquem a vontade para ler “meses”), de forma que garantam que não vai faltar alimento pra eles. Deu pra entender? Mamam a madrugada inteira, pra estimular o hormônio que garante que a produção de leite se manterá elevada e satisfatória para eles próprios. Espertinhos.

Resumindo, pessoal: leiam, conversem com famílias experientes e que tenham um estilo de vida parecido com o de vocês; fucem blogs, grupos virtuais, leiam livros, façam cursos… ou não façam nada. Cheguem no susto, tudo bem também. Preparem-se do jeito que quiserem, que der, da forma como curtiriam os preparativos para uma loooooonga estadia num local absolutamente novo. Agora, perguntar pra mim (e pra si próprio) quando é que o bebê vai dormir à noite toda, é o mesmo que ir à África esperando ver neve. Vai que, né?

 

Deixe seu comentário!